quarta-feira, 29 de julho de 2009

two of us



originalmente postado aqui

sábado, 25 de julho de 2009

um outro eclipse


Haviam tantas canções que eu gostava de postar... Mas são todas novas, ainda sem clips...

Assim, vai esta antiga sobre um certo estado de alma:

Metade do tempo em que eu repouso em desordem
eu penso num sonho que eu nunca tive...
Então eu desperto. E por momentos
eu chamo o teu nome na casa do Colin...
Mas os bebés resignam-se de uma maneira própria...
Ah, eu podia recriar um pouco
desse maravilhoso desespero que eu sintia,
mas ao acordar eu volto-me para a parede...

O carro chega e leva-me novamente
deslizando por entre aviões imaginários,
homens em combate a bordo de uma jangada
e um veleiro encalhado.
Nestes momentos a confiança é preciosa...
Mas cada personagem
pilha o meu lar
e leva tudo o que é meu.

Não, eu não tenho a certeza sobre
estas coisas que me inquietam
Oh não, eu não tenho certeza, já não tenho a certeza...



Half the time as I sit in disarray
I am thinking of a dream I never had
Then I awake, and for a while
I call your name in Colin’s house
But tiny children have a way of falling down
Oh, I could make a meal
Of that wonderful despair I feel
But waking up I turn and face the wall

The car arrives and takes me back again
Drifting through imaginary planes
And fighting men aboard a raft
A sailing ship has run aground
And confidence is valued in these days
But each character
Is plundering my home
And taking everything that is my own

Oh no, I’m not sure about
Those things that I care about
Oh no, I’m not sure, not any more...
video

variante deste post

segunda-feira, 20 de julho de 2009

História do Circuito da Fortaleza



Acima, a versão mais longa (creio) do Circuito da Fortaleza e a que foi mais utilizada.
Outras houve, mais curtas. Também se realizaram várias provas neste circuito inseridas em Ralis. Algumas dessas provas, fizeram-se em sentido inverso ao da imagem. Em 1968 também houve corridas de velocidade em sentido contrário.

Este circuito, está umbilicalmente ligado à história da cidade de Luanda, pois nasceu quase ao mesmo tempo que a metade dos arruamentos que percorria.

Tem o nome obviamente ligado à fortificação de defesa do ocidente da cidade, a Fortaleza de São Miguel, situada num monte circundado a ¾ por mar.
Até finais do sec XIX, nada havia em torno desse monte, para além de alguns caminhos e de uma ponte em madeira que ligava à ilha.

Até que foi iniciado o Caminho de Ferro de Ambaca, que ligava Luanda a essa povoação, anos antes de chegar a Malange. Esta linha, tinha vários ramais em Luanda e um deles circundava toda a cidade. Estes ramais destinavam-se ao serviço de passageiros e de mercadorias, com estações como a da Cidade Alta. Esta linha, servia também o porto de Luanda, na altura situado em vários pontos servidos por pequenos cais, como nas Portas de Mar ou no Largo Infante D. Henrique / Largo do Baleizão.

Perto desses cais, situavam-se inúmeros armazéns, indústrias e serviços ligados à navegação.

O principal eixo da cidade, era a Av Restauradores - Rua Salvador Correia (actual Rua Rainha Ginga) e ligava o Largo Infante D. Henrique / Largo do Baleizão, continuando para Leste passando o Largo D Fernando, da Livraria Lello. Estes arruamentos, também vieram a fazer parte do Circuito.
Para o caminho de ferro circundar o sopé do monte da fortaleza, foi feito um primeiro aterro.


Esta estrutura, serviu até ao final da 2ª Guerra Mundial, após o que o automóvel passou a ser o transporte particular por excelência e os camiões o principal transporte de distribuição urbana e suburbana de mercadorias. O porto de Luanda mudou-se provisoriamente para a frente do espaço onde iria ser edificado o Banco de Angola, enquanto foi sendo construido o porto que hoje existe, na ponta Leste da baía.
O caminho de ferro a oeste da cidade foi retirado e o aterro em torno da fortaleza, foi então aumentado para a construção das estradas marginais da Praia do Bispo e da Baía.
A ponte de estrutura em madeira para a Ilha, foi substituída por outro aterro.

Por alturas do 1º Grande Prémio de Angola, em 1957, Luanda vista da fortaleza para o largo do Baleizão, perspectiva acima repetida 4 vezes, era assim:


Após a 2ª Grande Guerra, Angola desenvolveu-se como nunca. Luanda foi alvo de um plano de reestruturação geral. As novas vias e os novos sistemas de colectores de esgotos e de águas pluviais, foram concebidos para vencer sem problemas as enchentes típicas das tempestades tropicais. Numa boa chuvada, em menos de 5 minutos as ruas ficavam transformadas em rios com altura acima dos tornozelos. Para que a água não subisse aos passeios, estes tinham mais de 30 centímetros de altura. Passada uma chuva torrencial, o sistema de escoamento de águas, secava as ruas mais depressa do que tinham sido cheias.

O desenvolvimento da cidade, tornou impossível o sacrifício das suas vias pelas corridas, mesmo poucos anos depois de ser feita a Marginal. E o Circuito da Fortaleza, correu-se pela última vez, desastrosamente e sem treinos, em Dezembro de 1969.

Na imagem abaixo, os mais de 30cm de passeio, fazem de rail contra o avanço do Carrera 6 de Andrade Villar, evitando uma tragédia ainda maior:


originalmente postado aqui

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Cathy






Click on picture

Opens in a new window and runs in Microsoft Silverlight

Install it if needed

It will worth it


originamente postado aqui

terça-feira, 7 de julho de 2009

Mto Bom!


Sábado à noite, fui ao teatro. Mas não era uma peça qualquer num teatro qualquer! Foi uma espécie de Cluedo com actores, na casa de Leal da Câmara.

No fim, jogámos com o fantasma da personagem assassinada e saímos de lá todos assombrados...


Uma peça diferente, excelentemente interpretada e produzida.